Cardinals vencem Seahawks no melhor jogo da temporada

Depois de tantos jogos de primetime mornos, Cardinals e Seahawks entregaram tudo que o fã da bola oval queria para esse Sunday Night Football.

A primeira jogada da partida já dava o tom do que estava por vir: Russell Wilson lançou um passe de 34 jardas para uma linda recepção com uma das mãos de Tyler Lockett. E era só o começo do show.

Pelo primeiro drive do jogo, era de se imaginar que os Seahawks não tomariam conhecimento dos Cardinals. Isso porque os visitantes precisaram apenas de seis jogadas e três minutos para anotar o primeiro touchdown da noite, na conexão de Wilson com Lockett novamente.

Tyler Lockett faz recepção com boa marcação de defensor dos Cardinals
Créditos: Instagram Seattle Seahawks (@seahawks)

Era a vez de Kyler Murray e o ataque dos Cardinals entrar em campo para uma resposta. Mas nada acontenceu. Three and out para os donos da casa. E mais uma vez dava a impressão de que os Seahawks teriam facilidade na partida.

Isso porque Russell Wilson se apresentava como o candidato a MVP que estamos vendo desde o ínicio da temporada. Jogada após jogada, o quarterback de Seattle parecia impecável – e quando Wilson joga dessa maneira, é quase impossível pará-lo.

MAIS UM DRIVE, MAIS UMA PONTUAÇÃO

E com Wilson jogando tudo o que sabe, os Seahawks voltam ao campo na tentativa de aumentar sua liderança no placar.

Seattle ia avançando rápido pelo campo consequentemente, cansando a defesa de Arizona. A linha defensiva dos Cardinals não conseguiam chegar até Wilson ou parar o jogo corrido, e a secundária dava muito espaço aos recebedores, já que estavam concentrados em evitar big plays com o principal alvo de Wilson, DK Metcalf.

Mas dessa vez o ataque não conseguiu entrar na endzone. Após ter uma marcação de touchdown corretamente revertida, os Seahawks foram parados na linha de 23 jardas do campo de ataque. Isso porque a defesa de Arizona bandou uma bliz para Wilson que teve que se livrar rapidamente na bola na terceira descida.

41 jardas de chute para Myers que converte o field goal e coloca mais três pontos no placar para Seattle.

BEM VINDO AO JOGO, DEANDRE HOPKINS

Os Cardinals precisavam pontuar nessa campanha se quisessem ter alguma chance no jogo. Isso porque mesmo com a defesa impedindo o touchdown adversário, o ataque não havia feito nada em campo na sua primeira oportunidade.

Era hora de Murray e companhia anotarem pontos. E pra isso precisariam muito do principal recebedor da equipe e um dos melhores da NFL, DeAndre Hopkins.

DeAndre Hopkins, Arizona Cardinals
Créditos: Instagram Arizona Cardinals (@azcardinals)

O drive não começa muito animador para os donos da casa. Isso porque Murray não consegue encontrar seus recebedores livres para completar os passes, o jogo corrido não entra e em consequência disso, o ataque não flui. Mas, graças a uma falta de interferência defensiva de Seattle, os Cardinals seguem em campo.

Mesmo sem ter a mesma fluidez que o ataque adversário vinha apresentado, os donos da casa se mantinham em campo. E é nessa hora que Hopkins aparece. Kyler Murray faz um lindo passe de 35 jardas para Hopkins receber e anotar o touchdown. Como diria Paulo Antunes: Temos um Djoko.

A DEFESA DE ARIZONA COMEÇA A APARECER…

Logo após anotar um touchdown, a defesa dos Cardinals precisava parar o ataque de Seattle.

Mas no ínicio do drive, tudo parecia seguir na mesma toada. Isso porque Wilson seguia achando recebedores livres pelo campo, e Chris Carson começava a correr bem com a bola. Quando parecia que os Seahawks conseguiriam mais um TD, a defesa dos Cardinals fazem uma boa marcação e limitam o ataque dos comandados de Pete Caroll à um Field Goal.

… MAS A DE SEATTLE TAMBÉM.

A defesa tinha acabado de limitar Russell Wilson a um field goal, o que pode ser considerado uma vitória. Era hora do ataque mostrar força e encostar no placar, afinal o time de Seattle tinha anotado apenas seis pontos na última campanha.

E a campanha começou promissora, mas, após ter um first down invalidado por uma falta da linha ofensiva, a defesa dos Seahawks forçam um fumble em DeAndre Hopkins, e o ataque volta a campo já na linha de 31 jardas do território ofensivo.

MAIS UMA VEZ, A DEFESA APARECE. E DE UM LADO, COM UM JOGADOR DE ATAQUE

Após o fumble, tudo apontava para uma liderança ainda maior de Seattle. Isso porque os fatores eram favoráveis: boa posição de campo, defesa sem tempo de descanso e um ataque que fluia bem.

E não estava sendo diferente disso. Apesar da defesa dos Cardinals estar mais atenta aos passes de Wilson, ele sempre conseguia achar um recebedor livre. Foi assim que chegou até a linha de 3 jardas, com um passe no meio do campo encontrando David Moore, livre.

Primeira para o gol na linha de três jardas. Parecia questão de tempo até os Seahawks colocarem mais seis pontos no placar. Parecia. Mas Budda Baker impediu que isso acontecesse.

Isso porque Wilson lançou um passe curto na direção de Chris Carson que foi telegrafado pelo safety que agora retornava a interceptação para transformar o touchdown adversário em touchdown para o seu time e tomar a liderança da partida.

Mas ai entra a jogada defensiva mais impressionante do primeiro tempo. Baker estava na linha de 90 jardas quando DK Metcalf como um cornerback dos melhores da liga, alcança o jogador dos Cardinals e impede o touchdown.

DEZ JARDAS E 13 PONTOS DE DIFERENÇA

Após a jogadaça de Baker e a mais impressionante ainda jogada de Metcalf, os Cardinals ainda estavam atrás no placar. Mas, à dez jardas de empatar e quem sabe virar o jogo. O momento era todo dos donos da casa.

Mas, quatro jogadas depois, o avanço de apenas 5 jardas e nenhuma pontuação para Arizona. Era um balde de água fria no time de Kliff Kingsbury, que decidiu tentar a quarta descida e não garantir os três pontos do field goal.

E, para piorar a situação, Russell Wilson volta a campo após a interceptação como se nada tivesse acontecido. De fato, a interceptação apenas contaria na sua estatística, já que no placar, nada havia mudado.

De forma rápida, em apenas dois minutos e trinta e nove segundos e seis jogadas foram o suficiente para que o ataque dos Seahawks saíssem da linha de 5 jardas do campo defensivo para chegar até a endozone adversária. Sete pontos a mais depois do extra point bom de Meyers.

BALDE DE ÁGUA FRIA?

Depois de uma interceptação no melhor quarterback da liga no momento retornada para 90 jardas não virar pontuação e mais, tomar um touchdown logo em seguida, era de se esperar que a moral dos Cardinals estivesse em baixa. Isso porque o jogo que era pra estar no mínimo empatado, estava agora com duas posses de bola de diferença.

DeAndre Hopkins faz recepção para os Cardinals
Créditos: Instagram Arizona Cardinals (@azcardinals)

Mas o ataque começa respondendo bem, ganhando jardas e primeiras descidas com passes curtos. Já dentro do two-minute warning, Kyler Murray acha o tight end Dan Arnold em uma big play de 41 jardas. O drive é finalizado com um passe para Christian Kirk dentro da endzone. Touchdown Cardinals, que diminui a diferença antes do intervalo.

0:31 SEGUNDOS

Foi o que Russell Wilson precisou para anotar mais um touchdown para Seattle.

Na primeira jogada do drive, pressão em cima dele. Wilson enxerga o gap na linha defensiva e corre para alcançar a primeira descida e muito mais. 22 jardas corridas para o quarterback.

Após uma falta de tripping contra o ataque, Russell Wilson faz mais um lance espetacular na temporada. Tyler Lockett estava muito bem marcado quando Wilson acha seu recebedor na endzone com um passe perfeito de 47 jardas. Touchdown Seattle e 27 a 14 no placar, restando 0:43 segundos para Murray tentar alguma coisa ainda antes do intervalo.

E ele consegue. Contando com três tempos para pedir e com a defesa de Seattle deixando os recebedores saírem pela lateral para preservar o rel[ogio, o ataque dos Cardinals avança fácil pelo campo até a linha de 31 jardas do campo adversário. Zane Gonzalez converte o field goal de 49 jardas e deixa o placar em 27 a 17 no intervalo.

SEGUNDO TEMPO DE MUITO EQUILÍBRIO

O primeiro drive do segundo tempo não foi bom para ambos ataques. Os Cardinals receberam a bola no retorno do intervalo e até conseguiram boas jogadas como por exemplo o passe de Kyler Murray para Edmonds avançar 21 jardas. Mas não foi o suficiente para anotar pontos. Punt.

O ataque de Seattle de volta a campo, mas a defesa dos Cardinals conseguem forçar o punt do adversário também. Nada de movimentação no placar para os Seahawks também.

No drive seguinte, o ataque dos Cardinals começa com as costas na parede e dificuldade em avançar. Graças a uma falta de força excessiva, o ataque se mantem em campo. Variando passes e corridas, com alguns erros dos recebedores, Murray segue com seu ataque em campo.

DeAndre Hopkins, bem marcado, consegue boas recepções para o ataque seguir avançando, assim como Larry Fitzgerald. Com isso, Chase Edmonds vai encontrando espaços para ganhar jardas após a recepção e faz uma jogada de 18 jardas em uma terceira descida crucial para os Cardinals.

Edmonds mais uma vez garante o first down para os donos da casa em uma corrida de 13 jardas. Após um option, Kyler Murray fica com a bola e entra na endozne. Touchdown Cardinals que traz o placar para apenas uma posse de bola de diferença.

INTERCEPTAÇÃO DE UM LADO E DO OUTRO

O momento do jogo à essa altura é todo dos Cardinals. Parando o ataque dos Seahawks e conseguindo anotar touchdown para encostar no placar.

E não só isso, apesar do ataque de Seattle avançar até a linha de 29 jardas do campo ofensivo, em uma terceira descida para cinco jardas, Russell Wilson força um passe na endozone, que é interceptado por Patrick Peterson. Era a chance da virada para os Cardinals.

Era. Isso porque, no primeiro passe da campanha após a interceptação de Wilson, Kyler Murray tenta buscar a big play e é interceptado por Quandre Diggs.

Tudo igual nas interceptações e no placar também. Os Cardinals seguem três pontos atrás.

TUDO ACONTECENDO NO SEGUNDO TEMPO

A resposta dos Seahawks veio através de pontos no placar. Se desde o ínicio do segundo tempo, a defesa dos Cardinals conseguia parar o ataque de Seattle. Após a interceptação de Wilson e de Murray, o ataque de Seattle finalmente aparece para o jogo novamente.

Com um drive longo, com 12 jogadas e gastando 5:26 min. do relógio, os Seahawks conseguem anotar mais sete pontos após um passe no fundo da endzone de Wilson para Lockett, que faz mais uma bela recepção no jogo. Inicialmente os árbitros marcam passe incompleto, mas após o desafio de Pete Caroll o touchdown é confirmado. E iderança ampliada para o time que é um dos que ainda não perderam na temporada.

Jogadores dos Seahawks comemoram pontuação contra os Cardinals
Créditos: Instagram Seattle Seahawks (@seahawks)

Não deixando barato e mantendo o time no jogo, os Cardinals vem a campo e fazem um drive igualmente longo. 14 jogadas e 4:16 min. para anotar mais um touchdown e seguir na cola dos visitantes. Murray acha Kirk na endzone para anotar mais 7 pontos e deixar a diferença novamente em 3 pontos.

DEFENSE!

Se os Cardinals ainda queriam ganhar o jogo, a defesa teria que parar o ataque dos Seahawks. Do contrário, seria impossível os donos da casa terminassem a noite com uma vitória.

Mas a defesa apareceu e fez seu papel. 5 jogadas depois, os Seahawks são forçados a um punt. E mais do que isso, conseguiram que Seattle não queimasse muito tempo no relógio. Hora que sua defesa teria que fazer o mesmo que a defesa adversária: Segurar o ataque e garantir que a vantagem no placar seja mantida. Mas, Murray, como um veterano e sem tempos para pedir, conseguiu conduzir sua equipe até a área de field goal que foi convertido para empatar a partida e levá-la para a prorrogação.

OVERTIME!

Um jogo desses ser decidido na prorrogação era tudo que o fã de NFL queria. Talvez não os torcedores de ambos times, mas o torcedor em geral merecia um SNF desse calibre.

E a prorrogação não ficou devendo em nada para o jogo. Primeira posse, Seattle Seahawks. Era marcar um touchdown e começar a temporada 6-0 pela primeira vez na história da franquia. Seis jogadas, nove jardas, punt.

Era a vez dos Cardinals. Um field goal para se colocar de vez na briga por playoffs e ainda mais, derrubar um dos favoritos ao Super Bowl. Seis jogadas, quarenta e nove jardas, segunda descida na linha de 23 do campo de Seattle. E o time de especialistas entra em campo para o chute. Decisão muito questionável de Kliff Kingsbury que ainda tinha uma tentativa de descida antes de chutar. Zane Gonzalez que não errou nenhum chute na noite na tentativa de 41 jardas. Pra fora. Tudo segue igual.

Era tudo que os Seahawks queriam. Colocar Russell Wilson em campo novamente. Nessa altura do jogo, um field goal garantia mais uma vitória pra Seattle. Para os Cardinals, era evitar o avanço no campo. Wilson avançou com o ataque até a linha de 48 jardas do seu próprio campo. Terceira descida para 14 jardas. Wilson tenta conectar o passe para Tyler Lockett mas é interceptado pelo calouro Isaiah Simmons que retorna por 12 jardas até ser parado por DK Metcalf.

Era agora ou nunca para os Cardinals. Um fied goal apenas. Após avançar por 19 jardas, Zane Gonzalez volta a campo para a tentativa de 48 jardas. E converte. Fim de jogo e vitória para os Cardinals, que entra de vez na briga para os playoffs.

Tauany Rodrigues

Tauany Rodrigues

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: