Waiver targets – Semana 01.2020

Malcolm Brown anotou o primeiro touchdown da história do SoFi Stadium. (Crédito: Ashley Landis, AP)

Com o fim da primeira semana de jogos na NFL certamente os jogadores de fantasy estão em buscas de maneiras de aprimorar e solidificar seus rosters. Como não houve pré-temporada, após essa week 1, conseguimos ter uma noção maior de como os times vão se comportar em campo ao longo da temporada. Além disso, lesões obviamente aconteceram e alguns jogadores podem ter um papel maior em seus respectivos times. Isso também não quer dizer que você deva dropar ou trocar algum jogador que foi uma escolha alta em draft do seu time pois não foi bem nessa primeira semana, afinal, a temporada está só começando. Aqui, portanto, serão listados alguns jogadores que talvez não tenham sido draftados e podem vir a ser alternativas para o seu time ao buscá-los na waivers. Afinal, a importância desse mecanismo na primeira semana é maior do que em qualquer outra, já que é melhor “sair na frente” de seus adversários e mirar jogadores antes que se consolidem como boas apostas.

Quarterbacks

  • Teddy Bridgewater – Carolina Panthers

A última temporada em que Bridgewater começou os 16 jogos por sua franquia foi em 2015, pelos Vikings. Nas duas últimas temporadas esteve em New Orleans jogando “atrás” de Drew Brees. Quando necessitado, fez bons jogos. Teddy pode não ser um pontuador elite, mas deve ser sólido, administrando jogos e fazendo o famoso “feijão com arroz”. Se você não está confiante com os QBs que tem em seu time, e quer mais uma opção em seu roster, Bridgewater pode te interessar.

  • Ryan Tannehill – Tennesse Titans
Ryan Tannehill liderou os Titans para uma vitória apertada contra o Denver Broncos, fora de casa, no Monday Night Football 2 dessa primeira semana da temporada e foi bem no Fantasy! (Crédito: Twitter Tennessee Titans)

Draftado em apenas 36,6% das ligas, Tannehill, assim como Bridgewater, deve ser um QB sólido em 2020.  Depois de ter jogado pelo Miami Dolphins, Ryan foi para os Titans ano passado, e quando assumiu a titularidade de Mariota, levou o time a final da AFC, e chega para a atual temporada como um dos concorrentes na conferência. Tennessee é um time que explora bastante do play action já que tem Derrick Henry, o que pode facilitar a vida do QB, que tem em AJ Brown e Jonnu Smith como suas principais armas no jogo aéreo. Caso ele esteja livre em sua liga, e queira um QB, Tannehill é uma boa opção.

Running Backs

  • Myles Gaskin – Miami Dolphins

Sabemos que com a chegada de Jordan Howard e Matt Breida todos achavam que esses que dividiriam o backfield dos Dolphins. Entretanto, Myles Gaskin, jogador draftado na sétima rodada no draft de 2019, foi o jogador que liderou o backfield tanto em rotas de jogada quanto de passe. Apesar de Jordan Howard ter tido todas as três oportunidades dentro da linha de 5 jardas, Gaskin é o que teve as maiores chances no jogo. Oportunidade pra running back é tudo em fantasy, e Gaskin vale a aposta, vide o papel desempenhado por ele nessa primeira semana. 

  • Nyheim Hines – Indianapolis Colts
Nyheim Hines has the Colts off and running - Backing The Pack
Com a lesão de Marlon Mack, Nyheim Hines passará a ser o RB2 dos Colts na temporada. (Crédito: Sam Greenwood/Getty Images)

Com a chegada de Jonathan Taylor para fazer dupla com Marlon Mack no backfield dos Colts, Nyheim Hines foi deixado de lado na maioria dos drafts, estando em algum time em apenas 2,5% das ligas. Porém, ninguém esperava por uma lesão de Mack, muito menos na primeira semana. Contra os Jaguars, Hines já havia tido oportunidades no primeiro quarto, enquanto Jonathan Taylor era o único do trio que não tinha ido a campo ainda. Com a lesão de Marlon Mack, os dois passaram a dividir oportunidades, e é assim que deve ocorrer ao longo da temporada, com uma leve vantagem para Taylor. Quando o time precisar queimar relógio, a bola vai estar com ele. Mas adquirir Hines é uma ótima jogada para o resto do ano.

  • James Robinson – Jacksonville Jaguars

A saída de Fournette dos Jaguars já deixava um pouco claro que Robinson lideraria esse backfield em rotas de corrida. A surpresa é que apenas ele correu com a bola. Chris Thompson, seu suposto concorrente, teve apenas chances no jogo aéreo. No entanto, Robinson correu apenas uma rota de passe a menos que Thompson, e, enquanto o resto desse backfield – que também não assusta muito –  continua se recuperando de contusões, Robinson, se ainda estiver livre em sua liga, vale tê-lo em seu time.

  • Adrian Peterson – Detroit Lions

O MVP de 2012 dispensa apresentações. O veterano de 35 anos está em busca de recordes na NFL e diz que ainda tem gasolina no tanque. Porém, a desconfiança com seu rendimento e com seu papel em Detroit fez com que o jogador fosse draftado em apenas 39,7% das ligas. Após o jogo contra os Bears, ficou um pouco mais claro a situação do trio de RBs dos Lions. Peterson liderou esse backfield em situações de corrida, enquanto Deandre Swift ficou mais com as oportunidades no jogo aéreo. Kerryon Johnson, como já se imaginava, foi prejudicado com a chegada dos outros dois no time. Parece que está claro que Peterson terá as chances em “early downs”. Portanto, a aposta no veterano é válida.

  • Malcolm Brown – Los Angeles Rams

Darrel Henderson, esteve recentemente nos injury reports, e assim esperava-se que o calouro Cam Akers teria seu caminho mais limpo para liderar esse backfield. Não foi o que aconteceu. Malcolm Brown apareceu como “surpresa” e fez um baita jogo contra o Dallas Cowboys, tendo a grande maioria dos snaps. Teve uma superioridade esmagadora de chances em terceiras descidas, além das duas oportunidades dentro da linha de 5 jardas, nas quais pontuou em ambas. A competitividade no backfield dos Rams fez Brown também ser esquecido nos drafts, logo, foi draftado em somente 7,1% das ligas. Pode ser que ele não seja um jogador para começar toda semana em seu fantasy, mas esse jogo pode tê-lo feito ganhar a confiança de Sean McVay, e assim continuar tendo mais oportunidades ao longo da temporada.

  • Benny Snell – Pittsburgh Steelers

Snell entrou nesse draft de 2020 como o handcuff de James Conner, que enfrenta constantemente lesões em sua carreira. E nada mudou. Conner saiu lesionado no jogo contra os Giants, e Snell passou a ter mais oportunidades para correr com a bola. Quando em campo, após a lesão de Conner, os Steelers correram em 19 de 26 snaps. Já quando Jaylen Samuels (RB3) era o nome no backfield, os Steelers foram pro jogo aéreo em 19 de 20 jogadas. Se Conner continuar batalhando contra contusões, Snell passa a ser ótima alternativa para se buscar na waivers, já que está presente em apenas 1,4% das ligas.

Benny Snell entrou bem no jogo e comando o jogo terrestre de Pittsburgh na vitória contra os Giants no Monday Night Footbal 1. (Crédito: Sarah Stler/Getty Images)

Wide Receivers

  • Parris Campbell – Indianapolis Colts

A chegada de Michael Pittman com o draft abaixaram as expectativas em cima de Campbell, que não teve uma boa rookie season em 2019. Porém, o que vimos em campo contra os Jaguars foi ele liderar o grupo de wide receivers em porcentagem de snaps, e em recepções. O jogo aéreo vai ser bastante explorado por Phillip Rivers ao longo da temporada, e se Campbell realmente tomar essa dianteira, é fato que ele precisa ser adquirido na waivers.

  • Corey Davis – Tenessee Titans

Corey Davis foi uma escolha de primeira rodada em 2018 pelos Titans e, até o jogo de ontem pelo menos, parecia que nunca o WR mostrara em campo o que foi o seu valor no draft. Vale ressaltar que alguns jogadores têm sua “breakout season” um pouco tarde, como Devante Parker ano passado pelos Dolphins por exemplo. E o jogo de ontem mostrou que Davis é capaz sim de ser bem relevante nesse ataque de Mike Vrabel. Foram 7 recepções em 8 alvos para 101 jardas. O WR foi draftado em apenas 1,2% das ligas. Porcentagem muito baixa para um WR2 que foi escolha de primeira rodada  em draft e tem potencial. Tê-lo como reserva pode vir a ser bem interessante para consolidar seu roster.

  • Russel Gage – Atlanta Falcons

Após a troca de Mohamed Sanu para os Patriots na temporada passa, Gage passou a ser o WR3 dos Falcons. Atlanta é um time que explora demais o jogo aéreo e, mesmo com as presenças de Julio Jones e Calvin Ridley, Gage talvez tenha mostrado nessa primeira semana que não precisa da lesão de um dos dois para ter seu valor. Contra os Seahawks, Matt Ryan “espalhou” mais a bola e conseguiu um equilíbrio maior de targets entre seus WRs. Em um ataque que utiliza demais dos passes de seu QB, Gage é uma boa alternativa para se ter em seu time.

  • Anthony Miller – Chicago Bears

De fato a situação de QB dos Bears não é a das mais favoráveis, e talvez seja por isso que Anthony Miller fosse draftado em menos de 50% das ligas. No entanto, Miller é um bom jogador que vem sendo mais procurado por Trubisky desde a metade da temporada passada. Contra os Lions, anotou o TD que deu a vitória. As defesas adversárias provavelmente estarão mais preocupadas em marcar Allen Robinson, o que “abre caminho” para Miller. O jogador deve pontuar bem em alguns matchups, mas obviamente sempre dependerá de um jogo decente de seu QB. É uma aposta muito válida se ele for free agent em sua liga.

Anthony Miller foi um dos destaques da vitória de Chicago sobre Detroit na estreia dos Bears na temporada de 2020 (Crédito: Leon Halip/Getty Images)
  • Preston Williams – Miami Dolphins

Williams entrou para a temporada de 2020 após ter perdido quase metade da temporada passada por lesão e ter que passar por uma cirurgia no joelho. Porém, começa a temporada de 2020 com alguma expectativa, principalmente devido ao problema com lesão de Devante Parker, que pode perder alguns jogos ainda nessa temporada. Isso deve fazer com que Preston seja mais acionado por Fitzpatrick nas próximas semanas. Além disso, se Tua Tagovailoa eventualmente assumir a titularidade do time, esse ataque pode se tornar mais potente, o que favorece os recebedores dos Dolphins. Portanto, é melhor buscar o jogador, se este for free agent em sua liga, antes que ele comece a se valorizar ainda mais.

  • N’keal Harry – New England Patriots

Após uma rookie season longe da ideal em que teve que enfrentar lesão, Harry veio para 2020 tentando se consolidar no ataque dos Patriots e procurando construir uma química com o novo QB Cam Newton. Muitos estavam com pé atrás com este, já que também enfrentou lesões na Carolina do Norte e busca redenção. Essa incerteza do que seria o ataque dos Patriots nessa temporada fez com que Harry fosse draftado em apenas 12,7% das ligas. Se Cam Newton e esse ataque de New England engrenarem, Harry será um dos beneficiados e pode render bem. Afinal, foi uma escolha de primeira rodada em 2019 e deve ser constantemente mirado por seu QB ao longo do ano.

Tight Ends

  • Logan Thomas – Washington Football Team

O veterano Logan Thomas parece ter ganhado o papel de TE1 de Washington. Contra os Eagles, liderou o time em targets (8), fazendo quatro recepções e anotando um TD. Thomas ainda não é um jogador que passa 100% de confiança para ser colocado no line-up, mas se você tinha Blake Jarwin, por exemplo, e agora precisa ir atrás de TEs, Logan Thomas é uma aposta.

  • Greg Olsen – Seattle Seahawks

O jogador de 35 anos chegou nos Seahawks para ser mais uma arma para Russel Wilson. A presença de Will Dissly em Seattle pode ter feito com que Olsen não tenha sido draftado em sua liga. Vamos aos fatos: Wilson já deu entrevista elogiando Greg Olsen, o que mostrou que o quarterback vê sim a chegada do jogador como um reforço para seu ataque. Além disso, as contusões são uma assombração na vida de Dissly, e mesmo que o jogador seja muito eficiente quando saudável, é difícil confiar em sua saúde. Greg Olsen chega para ser um tanto quanto relevante nesse ataque dos Seahawks.

  • Jordan Akins – Houston Texans
Jordan Akins anotou um touchdown na derrota dos Texans para os Chiefs no jogo que abriu a temporada.

O jogador draftado no segundo round em 2018 passou por alguns momentos de lesão em sua carreira, mas, agora jogando sua terceira temporada na NFL, procura consistência e busca cada vez mais a confiança de Deshaun Watson. Contra os Chiefs, no TNF, Akins teve apenas duas recepções, assim como Darren Fells. No entanto, Akins conseguiu anotar um TD em uma de suas recepções e pode ser mais procurado por Watson ao longo da temporada. O treinador Bill O’Brien, deu uma entrevista nessa segunda-feira na qual falou sobre o tight end: “Ele é um bom jogador, enquanto estiver saudável, eles estará em meu lineup.”

  • Jimmy Graham – Chicago Bears

Está na boca do povo que os Bears tem muitos tight ends. Porém, contra os Lions, Graham foi o único que se mostrou como real opção para recepção. O jogador correu 31 rotas, contra oito, do “segundo tight end” e novato do time, Cole Kmet. Foram 3 recepções de Graham no jogo em 6 alvos, e em uma dessas foi anotado um TD. Vir de temporadas com críticas jogando pelo Green Bay Packers fez com que o jogador fosse draftado em apenas 7,8% das ligas, entretanto, Chicago trouxe o jogador nessa offseason e deve continuar sendo acionado por seu QB. O veterano mostra-se como um TE reserva decente para se ter em seu time. 

Esses são os principais jogadores que podem ser seus alvos na waivers nessa primeira semana. Essa week 1 é muito importante para tentar aprimorar seu roster, estude seu time e veja suas necessidades. Também é importante ficar esperto nesses jogadores “sleepers” ao decorrer da temporada. Para isso, continuaremos escrevendo aqui para tentar trazer nomes e maneiras de melhorar seu elenco.

Bom matchup na semana 2 e que venha a vitória!

Article Categories:
Fantasy Football

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: