Bills atropelam Patriots e decretam o fim da dinastia

Sim, acabou a dinastia em Foxborough. E mesmo que os Patriots venham se recuperar de uma temporada ruim, já no ano que vem – e se tem uma franquia capaz disso, essa franquia é o New England Patriots – a dinastia acabou. Sim, porque a dinastia era comandada por Bill Belichick e Tom Brady, que não é mais jogador dos Pats.

E nada mais sintomático do que uma derrota para os Bills – novos campeões da AFC East – com direito a atropelo. 38 a 9 e time reserva no quarto período, que foi um grande garbage time.

Esse texto, em tese, seria um recap do que aconteceu no jogo. Mas a exemplo desse outro texto aqui vou me abster de falar do jogo e olhar mais profundamente para o New England Patriots.

O ANO ONDE TUDO DEU ERRADO

Seria injusto falar que o ano foi ruim para os Patriots. O ano foi ruim para todas as pessoas que vivem no planeta. A pandemia da COVID – 19 atrapalhou a vida de toda a população. Mas, como o assunto é os Patriots, não podemos negar que o time sofreu muito com os impactos da pandemia, dentro e fora de campo.

Perder seu quarterback já não é fácil. Perder o seu quarterback dos últimos 20 anos é pior ainda. Pior quando esse quarterback é simplesmente o maior de todos os tempos. E foi isso que aconteceu com os Patriots.

Bill Belichick, head coach e GM dos Patriots
Bill Belichick vai ter muito trabalho nessa offseason (Créditos: Getty Images)

Vinte anos com Tom Brady e pela primeira vez os Patriots precisariam de um novo quarterback. Durante a maior parte do tempo de preparação para a temporada, se acreditou que Jarrett Stidham seria o nome (essa que vos escreve custava a acreditar nisso), isso porque ele praticamente não tinha concorrência. Mas, já na reta final de preparação, Bill Belichick trás Cam Newton. O MVP de 2015 teria a chance da vida de se provar e provar que poderia ser o futuro próximo dos Patriots.

PROBLEMAS MUITO ALÉM DO QUE A TROCA DE QBs

Além de trocar de quarterback, outro problema que New England precisou lidar esse ano foram com os opt outs. Nomes importantes como Dont’a Hightower, Patrick Chung e Marcus Cannon optaram por não jogar a temporada também em decorrência da pandemia. Os Patriots foram, de longe, a equipe que mais sofreu com isso.

Além disso, a aquisição de Newton acarretou em um novo playbook, já que Newton é um quarterback bem diferente de Brady e Stidham. Sem pré temporada, com pouco tempo para aprender o playbook e com um corpo de recebedores que está entre os piores da liga, a receita não parecia ser de muito sucesso. A esperança era a defesa.

A defesa que fora uma das melhores no ano passado, inclusive contando com o DPOY, Stephon Gilmore, mostrou que segue sendo uma defesa com potencial, mas com algumas falhas que nem eram tão novidade assim. O pass rusher é fraco e a defesa contra o jogo corrido é a principal fraqueza dessa unidade. E ao longo de um ano tão complicado, foi difícil concertar.

QUANDO PARECIA QUE IA…

Mesmo com tantos problemas, New England começou bem a temporada. Cam Newton dava uma mobilidade boa ao ataque e, naquele momento, podia contar pelo menos com Julian Edelman como alvo. Algumas derrotas doeram, como contra Seattle e Bills, onde o time teve a chance da vitória, mas não conseguiu alcançá-la. O time apresentava alguns problemas – falta de jogo aéreo, turnovers do seu quarterback – mas mesmo assim, se mantinha competitivo. Aí veio a COVID – 19.

Os dois prováveis principais atletas do elenco foram infectados: Gilmore e Newton. Jogos adiados, um mês sem treinamento, enfrentar os Chiefs sem seu quarterback. E desde então, tudo piorou.

Newton voltou muito mal. A defesa não era a mesma. Edelman, o único WR confiável do ataque, fora. O desempenho, principalmente do ataque, beirava o desesperador. E assim seguiu os Patriots de 2020. Com altos – como a vitória em cima dos Ravens – e baixos – Como a derrota para os Texans.

MAS, E AGORA?

Fora dos playoffs pela primeira vez desde 2008, agora é hora de dar sequência ao rebuild. O ataque deve ser a primeira unidade a se reforçar. A dúvida segue: Cam Newton, vai receber mais uma chance? Difícil responder nesse momento. A posição de draft dos Patriots não é favorável para a escolha de um quarterback. A free agency terá um único nome que, na minha humilde opinião, vale a pena: Dak Prescott. O problema é: Dallas deve pagar o Dak. E isso – novamente, na minha opinião – acaba com o mercado de QBs da Free Agency.

Isso porque trocar Cam Newton por outro nome que não será a solução dos Patriots, não me parece inteligente e nem um caminho a ser seguido. O time precisa de muito ajuste para poder ter um quarterback que não seja a solução imediata.

O corpo de WR precisa de um upgrade bem grande. Nomes como Kenny Golladay, Allen Robinson e JuJu Smith – Schuster estrão disponíveis no mercado e trariam uma qualidade na posição que hoje os Patriots tem apenas em Edelman.

Kyle Pitts, TE dos Gators
Pitts, o desejo do torcedor patriota (Créditos: Alexis Greaves/ UAA Communications)

No draft, algumas posições podem ser endereçadas. Kyle Pitts, TE dos Gators, é o nome dos sonhos para os torcedores dos Pats. Isso porque o corpo de TEs do time é nulo. Um EDGE rusher seria uma boa aquisição para o time também.

PERSPECTIVAS

Não acredito em um rebuild completo já na próxima temporada. Mas não descarto que Bill Belichick e sua genialidade consiga melhorar e muito esse time com aquisições pontuais e esperamos, com training camps e pré temporada de volta.

Dentro de uma normalidade, o time dos Patriots, trabalhando bem e reforçando posições pontuais, volta a ser um grande candidato dentro da sua divisão. Resta saber o que Bill Belichick tem em mente para o futuro da franquia já no próximo ano.

Meu recado é: Torcedores, calma. Uma hora o rebuild de New England ia chegar. Nenhum time domina a liga por tanto tempo sem sofrer baixas, uma hora ou outra isso ia acontecer. Nem tudo é culpa do Cam Newton. O Tom Brady não faria os WR serem bons. Se ele poderia resolver pelo alto, não resolveria com as pernas como o Newton fez em algumas oportunidades. O quarterback é parte do problema, não é o único. Hora de paciência. A NFL é cíclica e os Patriots não iriam dominar a liga para sempre. O time voltará a ser competitivo, estamos falando sobre uma franquia comandada por Bill Belichick. Mas o momento agora, é de reconstrução.

AH, E O MONDAY NIGHT FOOTBALL

Os Bills fizeram o que deles se esperava: Ganharam e com facilidade. Cada semana que passa, Josh Allen mostra um pouco mais de sua evolução e coloca os Bills como sério candidato ao Super Bowl. Se não fossem alguns poucos jogos em que o Allen não se apresentou do mesmo nível que na maioria das vezes, ele estaria na briga pelo MVP da temporada.

E o Stephon Diggs foi a melhor aquisição do time em anos. O torcedor dos Bills será eternamente grato aos Vikings.

Se cuida, Chiefs, os Bills não estão pra brincadeira.

Tauany Rodrigues

Tauany Rodrigues

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: